domingo, 22 de maio de 2022

118ª Compra - TUPY3

 Investimento do mês: Tupy ON


Adquiri 15 unidades a R$ 17,14 o exemplar.



Proventos recebidos em abril:



Composição da carteira:



Desempenho:



Pizza:



Evolução patrimonial:



Histórico de proventos recebidos e aporte (mensal):



Histórico de proventos recebidos e a receber (anual):



Bom dia, boa tarde, boa noite, estimados amigos! Encerramos mais um doze avos do ano e cá estamos nós para mais uma atualização deste humilde projeto amador de investimentos. 

Como era previsto, este ano está bem instável e o mês de abril não ficou alheio a isso: IBOV -10,1% e a minha carteira ficou em -5,12%. O Bradesco foi uma das ações que realizaram com força e isso acabou comprometendo o desempenho geral da carteira. 

Esse é o preço que se paga por concentrar boa parte do patrimônio em um único ativo. Contudo, este mês o BBDC3 recuperou, entraram as novas ações da bonificação e meados de julho deve vir o tradicional provento que vai engordar o aporte de agosto. Então isso não vai mudar em nada o objetivo das 1.000 ações do Bradesco e seguirei focado na estratégia.

Ouço muito gente questionando o potencial de crescimento dos bancões frente às investidas da fintches, todavia parece que o mercado está começando a levantar dúvidas sobre o quão sustentável é o negócio das fintechs. 


O Nubank teve prejuízo de US$ 45 mi no último trimestre. A ação está na mínima histórica. Seria uma oportunidade ou armadilha?  

O cenário de inflação alta, inadimplência nas alturas e a alta dos juros americanos vai proporcionar um ambiente desafiador para as instituições financeiras. E vai ser ainda mais desafiador para aquelas que não conseguem entregar valor ao seu acionista, como é o caso das empresas techs, que em sua grande maioria queimam caixa e não dão lucro.

Por isso, vamos focar no que interessa: comprar ações de empresas que não estão nos holofotes e que são lucrativas, que é o caso da Tupy, compra do mês de abril. 

Na minha humilde opinião, a Tupy não é muito bem quista pelo mercado, uma vez que sua natureza de negócio é voltada aos motores a combustão. Num mundo onde a bandeira ESG está cada vez mais em evidência, parece insanidade aportar recursos em empresas que dependam de motores a diesel e gasolina.

Mas por mais que os veículos elétricos sejam uma tendência, os motores a combustão dificilmente perderão mercado, uma vez que os veículos pesados (um dos principais focos da Tupy) não possuem tecnologia para motores elétricos. 

Além disso, o carro elétrico é "verde" depois de produzido, todavia o seu processo de fabricação não é muito ecológico. Paralelo a isso, assim como nas baterias dos celulares, ainda não existe tecnologia para reciclar as baterias dos carros elétricos.

Outra polêmica sobre o carro elétrico refere-se às fontes de energia que vão alimentar a bateria. Como há pouco oferta de energia no mundo, possivelmente, uma das fontes deve ser o carvão mineral, que hoje é a fonte que mais emite carbono.



Uma alternativa para não depender tanto das fontes sujas de energia seria investir em usinas nucleares, que também necessitam de investimentos em energia suja (mineração com minério de ferro e cimento). 

E independendo do tipo de investimento que a humanidade de posicionar, a Tupy colherá frutos, pois onde existe investimento em infraestrutura haverá alguma máquina pesada com motor de componentes fabricados por por ela. A Tupy fornece as principais empresas de máquinas pesadas no mundo e agora com as aquisições da Tesksid e MWM sua abrangência ficará ainda maior. 

Outro fator que motiva o investimento é que a Tupy vai recomprar 4 milhões de ações (2,77% do total ou 7,5% das ações em circulação). A recompra é sempre bem vista pelo mercado e sugere que a administração entende que os preços estão muito descontados. 

Apesar dos aluguéis estarem nas máximas históricas, a força compradora aumentou e a cotação superou o patamar dos R$ 22. Presumo eu que o mercado está enxergando um futuro promissor para a empresa frente aos resultados dos últimos trimestres e as recentes aquisições que ainda não entraram efetivamente no balanço.

Para este mês era isso que gostaria de compartilhar com vocês. 

Aproveito a oportunidade para formalizar o convite para me acompanharem no Instagram e no YouTube. 


https://www.instagram.com/investidormiserave/



Abraços efusivos, bons investimentos e até o próximo mês. 

quinta-feira, 28 de abril de 2022

117ª Compra - TRPL3

 Investimento do mês: Transmissão Paulista ON

Adquiri 8 unidades a R$ 31,42 o exemplar.



Proventos recebidos em março:



Composição da carteira:


Desempenho: 



Pizza:



Evolução patrimonial:



Histórico de proventos recebidos e aporte (mensal):



Histórico de proventos recebidos e a receber (anual):



Bom dia, boa tarde, boa noite, estimados amigos! Findamos mais um doze avos do ano e cá estamos para mais uma atualização deste humilde projeto amador de investimentos. 

Com um "pouco" de atraso trago a atualização de desempenho e evolução da minha carteira de investimentos referente o mês de março de 2022. Em se tratando de desempenho, no último mês tive rentabilidade de 4,84% e retornei ao patamar acima dos 22k (R$ 22.577,47).

No tocante aos proventos recebidos, recebi o juro sobre o capital mensal do Bradesco. Valor esse que a partir do próximo mês terá o incremento de 10% (passou de 9,12 para 10,03), frente a bonificação de ações que o banco contemplou seus acionistas. 

Ainda sobre bonificação, a Schulz também agraciou os acionistas com uma nova ação de bonificação para cada ação detida em custódia. A data ex foi no dia 14 de abril. E ainda sobre a Schulz, ela anunciou dividendos de R$ 0,05672250 por ação e o pagamento será no dia 1º de julho. 

Quanto ao racional da compra do mês, optei pela Transmissão Paulista para alcançar a meta de fechar o ano com 110 TRPL3. Contudo, como a cotação segue subindo (atualmente nos patamares dos R$ 35), estou repensando a estratégia e considerando concentrar os aportes em TUPY3 ou SHUL4 nos próximos meses. 

Acontece que a TUPY3 anunciou a aquisição da MWM e, desde então, a ação não para de subir. Então pensei em aumentar a posição em SHUL4, todavia eles não têm ações ordinárias e queria evitar de me expor muito ao risco de empresas sem tag along.

Frente a essa situação pensei em diversificar o portfólio com fundos imobiliários visando o objetivo de renda que garanta um 13º aporte. Exemplo: o valor fixo que recebo mensalmente é R$ 10,03 (oriundo de 600 BBDC3). Mensalmente invisto R$ 242,40 (20% de um salário mínimo). Para garantir um 13º aporte, precisaria ter um fluxo de recebimentos mensal de R$ 20,20 (20,20 x 12 = 242,40).

Para chegar nos R$ 20,20 mensal (descontando os R$ 10,03 do BBDC3) precisaria incrementar o rendimento mensal em R$ 10,17 (10,03 + 10,17 = 20,20). E o caminho que pretendo seguir para chegar lá é comprar 9 cotas do IRDM11. 


Considerando o último rendimento entregue aos cotistas de R$ 1,18, eu alcançaria o objetivo em 5 meses (9 x R$ 106,25 = 956,25). 

Então, (se eu não mudar de ideia) nos próximos meses vocês verão postagens de compras de fundos imobiliários aqui neste projeto. Ainda não formei opinião sobre qual fundo imobiliário me posicionar e gostaria de sugestões de vocês. Quem investe, o que vocês estão comprando e qual o racional do investimento? Desde já agradeço. 

Quero formalizar o convite para me acompanharem pelo YouTube e Instagram:



https://www.instagram.com/investidormiserave/

Abraços efusivos, bons investimentos e até o próximo mês!

sábado, 12 de março de 2022

116ª Compra - BBDC3

 Investimento do mês: Bradesco ON

Adquiri 17 unidades a R$ 16,49 o exemplar.


Proventos recebidos em fevereiro:



Composição da carteira:



Desempenho: 



Pizza:



Evolução patrimonial:



Histórico de proventos recebidos e aporte (mensal):



Histórico de proventos recebidos e a receber (anual):



Bom dia, boa tarde, boa noite, estimados amigos! Findamos mais um doze avos do ano e cá estamos para mais uma atualização deste humilde projeto de investimentos.

E o mês de fevereiro não vai deixar saudades. O Ibov ficou ligeiramente positivo e a minha carteira ficou com -7,39%. Praticamente todas as ações caíram e eu retornei abaixo do patamar dos 22k, mas precisamente em R$ 21.293,24.

No tocante ao recebimento dos proventos, recebi o tradicional juro sobre o capital do Bradesco e mais uns trocados da Klabin. O total recebido no mês de fevereiro foi de R$ 12,63.

Sobre a compra do mês, optei pelas ações do Bradesco para concluir o objetivo do ano: 546 ações. A bonificação foi aprovada em assembleia e agora só falta o Banco Central homologar para eu alcançar as 600 BBDC3. 



Com isso, para o ano que vem, comprando 37 ações eu alcanço o objetivo de 2023: 700 ações.



Avançando nos devaneios, se o Bradesco mantiver o pagamento de R$ 1 por ação de dividendos para 2023, com o reinvestimento eu praticamente consigo comprar as 37 ações que faltam. 



Com 600 ações do BBDC3 praticamente não há necessidade de dinheiro novo para alcançar 100 ações por ano. Basta utilizar o benefício da bonificação e o reinvestimento dos dividendos para chegar lá. Claro, o Bradesco tem tem manter o R$ 1 de dividendos por ação por ano. 




Outro fator condicional que pode comprometer o resultado é caso a cotação suba muito. Nesse caso a quantidade reinvestida será menor e será necessário dinheiro novo para alcançar o objetivo. Porém, se a cotação subir, suponho que o lucro por ação também irá aumentar. Mas enquanto isso não acontece sigo encarteirando, quer dizer, novas compras em Bradesco só em 2023, pois para esse ano a meta está alcançada ✔

Para esse mês era isso que gostaria de compartilhar com vocês.

Gostaria de formalizar o convite para me acompanharem no YouTube e no Insta:


www.instagram.com/investidormiserave/


Abraços efusivos, bons investimentos e até o próximo mês!


terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

115ª Compra - BBDC3

 Investimento do mês: Bradesco ON

Adquiri 24 unidades a R$ 16,62 o exemplar.



Proventos recebidos em janeiro:



Composição da carteira:



Desempenho:



Pizza:



Evolução patrimonial:



Histórico de proventos recebidos e aporte (mensal):



Histórico de proventos recebidos e a receber (anual):



Bom dia, boa tarde, boa noite, estimados amigos! Findamos mais um doze avos do ano e cá estamos para mais uma atualização deste humilde projeto amador de investimentos. 

Fechei o mês de janeiro com um desempenho positivo de 1,24%. O Bradesco teve uma valorização considerável, porém a Emae caiu bastante e o resultado ficou comprometido. Mas ainda assim me mantive acima dos 22k de patrimônio.

Com relação aos proventos recebidos, recebi R$ 38,60 em janeiro. Entraram os juros sobre o capital da Tupy, Transmissão Paulista e o tradicional rendimento mensal do Bradesco.

Esse rendimento mensal do Bradesco, muito desprezado pelos investidores por ser menos de R$ 0,02 por ação, uma vez reinvestido, também proporciona efeito de juros compostos. 



Considerando a minha estratégia de alcançar 100 ações do Bradesco por ano, o esforço fica ainda menor quando o dividendo mensal é reinvestido. Claro, hoje o valor do dividendo mensal não é suficiente para comprar uma ação, mas se fosse acumulado ao longo dos meses isso seria possível.


Para alcançar a minha meta, em 2022 preciso comprar 46 ações (546 ações + 10% de bonificação = 600 ações). Considerando a cotação de hoje, conseguiria comprar 5 ações com os dividendos mensais. Pode não parecer muito, mas é 10% do objetivo. 

Outro ponto a se considerar é que se o Bradesco mantiver os 10% de bonificação nos próximos anos e a cotação não oscilar muito, em 2026 eu alcanço a meta sem usar dinheiro do aporte. 

Até 2026, quando pretendo alcançar as 1.000 ações do Bradesco, sem o reinvestimento dos proventos mensais eu precisaria desembolsar R$ 2.650,80, reinvestindo os proventos mensais o valor fica em R$ 1.955,20. 

Estou considerando apenas o reinvestimento do juro sobre capital mensal, mas se o restante do dividendo for reinvestido, o resultado fica ainda mais interessante. Mas isso é assunto para uma futura postagem. 

Para esse mês era isso que gostaria de compartilhar com vocês. 

Gostaria de formalizar o convite para me acompanharem no YouTube e Instagram:


https://www.instagram.com/investidormiserave/

Abraços efusivos, bons investimentos e até o próximo mês!

sábado, 15 de janeiro de 2022

114ª Compra - EMAE4

 Investimento do mês: Emae PN


Adquiri 60 unidades a R$ 52,65 o exemplar. A compra foi acima do valor médio devido a venda da posição em Ambev ON. 



Proventos recebidos em dezembro:



Composição da carteira:



Desempenho:



Pizza:



Evolução patrimonial:



Histórico de proventos recebidos e aporte (mensal):



Histórico de proventos recebidos e a receber (anual):



Bom dia, boa tarde, boa noite, estimados amigos! Encerramos mais um doze avos do ano e cá estamos para mais uma atualização deste humilde projeto de investimentos.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa: se no ano o resultado foi negativo (-5,73%) no mês de  dezembro tive um desempenho positivo (5,58%) em razão da nova posição na carteira, Emae Pn. Vendi a posição em Ambev e, acrescido dos dividendos recebidos mais o aporte do mês, comprei 60 ações da Empresa Metropolitana de Águas e Energia. Mais adiante detalho para vocês o racional do investimento.

No tocante aos proventos recebidos, além dos tradicionais juros sobre o capital, o Bradesco gratificou os acionistas com mais alguns centavos por ação e recebi no mês de dezembro o montante de R$ 124,34. 

Em relação a evolução patrimonial fechei o ano acima dos 22k. Conforme o planejado em janeiro de 2021, a minha estimativa era fechar 2021 acima dos 24k e com estas quantidades de ações:

"Seguindo as divagações, no tocante a quantidade de ações espero chegar em dezembro com:

200 ABEV3 (faltam 45 ações)
454 BBDC3 (faltam 45 ações)
100 TRPL3 (faltam 32 ações)
100 TUPY3 (faltam 39 ações)"

O que foi alcançado efetivamente foram as 454 ações do Bradesco e as 100 ações da Tupy. A Transmissão Paulista faltaram algumas unidades e a Ambev eu me desfiz da posição.

Sei que não fui muito feliz nas minhas metas de 2021, portanto vou ser mais conservador para os desafios de 2022. A minha estimativa para o final do ano é alcançar estas quantidades de ações:

546 BBDC3 (faltam 41)

400 SHUL4 (faltam 151)

110 TRPL3 (faltam 20)

200 TUPY3 (faltam 71) 

Se as cotações oscilarem muito poderão haver alterações nos destinos dos recursos ao decorrer do ano. Mas essa estratégia fortalece o propósito do desafio em que, havendo queda nos preços, a chance de conquistar o objetivo antes do esperado aumenta bastante. 

Contrapondo a queda, num cenário de alta das cotações, comprarei menos ações, todavia terei uma elevação do patrimônio e fico feliz também. Então se eu puder dar um conselho para quem está almejando iniciar o projeto de investimentos para longo prazo, a sugestão é focar neste tipo de estratégia, pois a chance de desmotivar diminui consideravelmente. 

No tocante ao racional do investimento do mês, em postagens anteriores solicitando sugestões de small caps para investir, recebi a recomendação da EMAE4. Analisei os indicadores e gostei bastante:

* Dívida zero 

* ROE de 30,8%

* R$ 294 milhões em caixa

* Taxa de crescimento do lucro anual composta de 32,94%

* Valor de mercado de 2 bi

O lado ruim é que ela não tem ações ordinárias e está em processo de privatização. Então sabe-se lá quando vai sair essa privatização e se o acionista minoritário vai ser respeitado num eventual fechamento de capital. 

Sobretudo, alguns projetos que a EMAE está maturando minimizam essas intempéries e podem destravar valor considerável à companhia nos próximos meses e anos. Vou elencar alguns:

Gasen: termelétrica a gás com capacidade de 2,5 GW. A EMAE teria uma participação minoritária (talvez 10 ou 15%) neste projeto gigante. Lembrando que o custo para construir cada megawatt é de aproximadamente R$ 2 milhões. 

http://www.emae.com.br/conteudo.asp?id=stp


Despoluição do rio Pinheiros: aumento expressivo de geração da capacidade de geração da usina hidroelétrica Henry Borden. Devido a poluição a capacidade de produção está limitada (apenas 200 megawatts). A capacidade de garantia física está em 889 MW (o custo do MW é R$ 5 milhões para construir uma hidroelétrica).


https://energiahoje.editorabrasilenergia.com.br/sp-planeja-reativar-geracao-plena-na-usina-henry-borden/

https://veja.abril.com.br/coluna/maquiavel/despoluicao-do-rio-pinheiros-pode-ser-entregue-no-1o-semestre-de-2022/


Terrenos: mais de 160 propriedades registradas ao valor histórico de aquisição. Estimativas sugerem que somente os terrenos valem o valor de mercado da Emae hoje. 

Listei as estruturas mais relevantes, mas ela possui também possui usinas menores: Porto Góes (24MW), Rasgão (22 MW) e Pirapora (25 MW).

Entendo que são situações condicionais, mas uma vez que esses fatores se concretizem (privatização, por exemplo), o potencial de valorização é expressivo. E mesmo que demore para maturar esses projetos ela segue rentável, sem dívidas e distribuindo aproximadamente 10% de dividendos por ano.

Peço desculpas por ter me estendido na postagem, mas é que se analisarmos somente o balanço, num primeiro momento a Emae não motiva muito o investimento. Talvez por isso ela esteja fora dos holofotes do mercado.

Importante: ISTO NÃO É RECOMENDAÇÃO DE COMPRA.


Para este  mês era isso que gostaria de compartilhar com vocês. 

Aproveito para formalizar o convite para me acompanharem no YouTube e Instagram. 


https://www.instagram.com/investidormiserave/

Abraços efusivos, bons investimentos e até o próximo mês!